sexta-feira, 23 de outubro de 2015

11 CASAS EM 23 ANOS.


Se você parar um pouquinho pra pensar, talvez perceba que a maioria das pessoas que você conhece viveu, em média, em duas ou três casas diferentes durante toda a sua vida. Mas, o que a gente pode chamar de casa? Apenas uma estrutura física? Um lugar que te protege da chuva e do sol? Um lugar onde você pode descansar da vida lá de fora?

Durante toda essa transição, eu pude perceber que, mais do que uma estrutura física, a casa é o lugar que reflete exatamente a identidade das pessoas que vivem nela. É o lugar em que você está por inteiro; sem máscaras e sem inseguranças. É conforto, tranquilidade e, mais do que isso, é um lugar que você divide com quem você ama e escolheu passar os dias ao lado: seja apenas você mesmo, sejam os seus pais, filhos, par ou bichinho de estimação.

Mas, 11 casas? Como construir essa identidade em tantos ambientes diferentes? Bem, o ponto negativo de ter morado em tantos lugares é que raramente o tempo trabalha ao seu favor. Pra construir uma identidade, para construir um ambiente que te abrace, é necessário tempo, cuidado, dedicação. E tantas mudanças repentinas acabam por interromper alguns processos. A cada mudança, algum item é perdido, alguma mobília é arranhada, e aquela identidade vai perdendo um pouco a força. Mas, tudo bem! Let it be.

Por outro lado, é bom saber que eu pude estar em lugares diferentes, inclusive em outra cidade, em apenas 23 anos. Saber que consigo suportar os baques da mudança e encarar um recomeço a cada novo endereço. Que tenho a capacidade de buscar a reconstrução da identidade de um lar a cada nova moradia.

Assim como qualquer experiência que a gente vive, essa tem me rendido boas aventuras e, ao mesmo tempo, tem me tornado uma pessoa mais flexível. A experiência tem construído a pessoa que sou e ainda vou ser. E eu posso considerar que isso é bom, já que tudo que faz crescer é bem-vindo. Não tenha medo disso!

A coisa mais inteligente que você pode fazer por sua vida é crescer. (Steve Pavlina)

Beijos e até!

Imagem: IG

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe o seu traço riscar!