quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

POR AQUI, A GENTE VAI SE DESFAZENDO DO QUE NÃO NOS CABE MAIS.


Eu não sei se você é assim também. 

Com certa frequência, me pego dizendo frases como "Não tenho roupa para...", "Não tenho sapatos para...", "Não tenho acessórios que combinem com..."; enfim, não tenho alguma coisa para alguma outra coisa. É incrível perceber que, na minha concepção mesquinha, sempre está FALTANDO algo. Como se o que adquiri e conquistei ainda não fosse o suficiente. 

Tão mesquinho quanto isso é levar essa mesma concepção para além do lado material. Também me pego pensando em como poderia estar mais preparada para algo, em como deveria ter mais foco para um objetivo, em como poderia agir de uma maneira mais coerente em determinada situação. Entende o que eu quero dizer? É como se sempre faltasse. Raramente, se repararmos (e se você for como eu, como eu disse no início), pensamos que "É o bastante!", "Estou bem bacana assim!", "Esse é o meu melhor!" ou "Isso me satisfaz!". 

Bem, não quero perder o foco. Só reparei numa coisa que acho que pode fazer algum sentido para você também: às vezes, as coisas podem estar sobrando. Você só não reparou com atenção. Quero te dar um exemplo prático que vivemos hoje, aqui em casa. Bruno e eu notamos, há uns dias, que FALTAVA espaço no nosso guarda-roupas. Resolvi ajeitar melhor as coisas lá de dentro, para ver se não era apenas um problema de disposição. Enquanto revirava tudo e recolocava nos cabides, percebi que várias peças de roupa estavam ali, sem uso, por mais de meses. Coisas que, por alguma razão, não tinham mais à ver com a Laysla de agora. Juntei todas essas peças para a doação. E o espaço que faltava, agora é o suficiente.

O que eu quero dizer com isso (apesar de imaginar que você já entendeu) é que, independentemente do que seja - roupas, calçados, sentimentos, relacionamentos -, às vezes é preciso se desfazer daquilo que não lhe cabe mais. Pode ser que não esteja faltando nada. Talvez, esteja sobrando. Sobrando aquilo que não deveria mais estar ali.

Beijos e até!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe o seu traço riscar!